Marcar a diferença sem perder identidade

A identidade de uma marca, independentemente da área onde se insere, é um dos seus principais ativos. Podem existir diversas formas de a caracterizar e avaliar, mas é consensual afirmar que a identidade de uma marca deve ser gerida com todo o cuidado, sempre tendo em atenção os prós e os contras de determinadas ações.

Num mundo em rápida mutação, as marcas – e, consequentemente, os seus responsáveis de comunicação – vêm-se perante o dilema de tomar iniciativas diferenciadoras em que consigam captar a atenção da opinião pública ou, como consequência de uma estratégia mal planeada, enfrentar a perda de identidade das suas marcas.

Este equilíbrio não é, de todo, fácil de se conseguir. A solução passará por, em primeiro lugar, perceber onde queremos posicionar a nossa marca e, posteriormente, de que forma o queremos fazer. Em comunicação, como sabemos, não basta sabermos o que queremos. A forma como concretizamos estas metas também vai influenciar, e muito, aquilo que estamos a comunicar e o impacto desse processo.

Em suma, a solução passa por um planeamento bastante cuidado de toda e qualquer ação que seja realizada. No panorama atual, uma iniciativa mal pensada pode arruinar a reputação de uma marca de uma forma praticamente irreparável.